Entrevista – Novas estratégias narrativas nas mídias

Entrevista – Novas estratégias narrativas nas mídias

Em um mundo marcado pelo crescente desenvolvimento dos meios tecnológicos, no qual as possibilidades interativas parecem ser infinitas, até a nossa maneira de ler e escrever dá sinais de mudança. Em entrevista exclusiva ao Globo Universidade, a professora Cristiane Henriques Costa apresenta as novas estratégias narrativas, possibilitadas a partir do surgimento das mídias digitais, e conta um pouco sobre os vários projetos que desenvolve nessa área. “As novas tecnologias, dispositivos, plataformas, programas e aplicativos vêm proporcionando, constantemente, a criação de novos formatos que abrem um labirinto de possibilidades aos autores, produtores e editores”, destaca. Leia mais

A Economia da Atenção

A Economia da Atenção

A Revista Insight Inteligência chega a sua 59 edição, abordando a falta de tempo do mundo moderno e a relação do mercado editorial tradicional, com texto de Cristiane Costa“A Economia da Atenção”. O mercado dos livros digitais, ao em vez de ser visto como culpado, poderia ser encarado como opção para incentivo da leitura. Os enhanced books (“livros turbinados”) trazem novas experiências para o ato. Ainda há outras novidades que agitam o mercado editorial e até que ponto essas novidades podem ainda ser chamadas de literatura? Essa e outras questões são abordadas. Para acessar as outras matérias da Revista, que vão desde...

As novas funções do autor na era digital

As novas funções do autor na era digital

Na década de 1960, Barthes e Foucault questionaram a ideia de autoria em textos como “A Morte do Autor” e “O Que É um Autor”. Hoje, a função do autor não é mais a de produzir um texto. Ele pode editá-lo, distribuí-lo, comercializá-lo e divulgá-lo. Mas a autonomia ganha por esse autor multitasking não o estaria desviando de sua função original, a escrita?

Fronteiras cruzadas – A ficção no jornalismo e a reportagem na literatura

Sinônimo de neutralidade e oposto à subjetividade, espaço tradicionalmente reservado à ficção, o conceito de objetividade jornalística vem sendo minado desde o século passado pela propaganda política fascista (que mostrou como era possível manipular qualquer fato ou número), pelas teorias psicanalíticas (que demonstraram o quanto o inconsciente influencia nossa interpretação do mundo) e até mesmo pela própria capacidade de simulação da literatura realista. Mas foi preciso que um novo surto de jornalismo-mentira, a partir dos anos 80, revelasse sua fragilidade, mostrando que a objetividade jornalística é antes de mais nada um artifício. Os vários escândalos que abalaram a credibilidade...

iPad – Admirável Livro Novo

iPad – Admirável Livro Novo

Quem compraria de olhos fechados um produto que ninguém experimentou, que ainda não tem certeza de como funciona e que nem sabe exatamente para que vai servir? A partir deste mês, milhares de pessoas (por ora apenas nos Estados Unidos) terão a oportunidade de ver como é realmente o iPad, o mítico e-reader da Apple, aquele que pode fazer com o livro em papel o mesmo que o iPod fez com o CD: torná-lo dispensável. Seriam esses computadores pessoais em formato de prancheta e tela sensível ao toque, chamados tablets, “assassinos tecnológicos”, capazes de transformar o livro impresso em...

Por uma ideia de literatura expandida

O cinema nasce do teatro, mas não é teatro. É uma nova arte, com uma nova linguagem, criada a partir de uma nova tecnologia. O mesmo pode ser dito da fotografia em relação à pintura. E, com algumas ressalvas quanto a seu conteúdo artístico, do rádio e da televisão. Terá chegado a vez da literatura? Até onde ela pode se expandir em hipertextos, hiperlinks, multimídias, quebrando a linearidade da página, antes de se tornar uma nova arte? Enxergar que o livro eletrônico é um novo passo na longa série de invenções de tradições narrativas tira o foco da discussão...