Os Dilemas da Diagramação de Magazines Apps

O iPad era para ser o salvador das revistas, porém até agora, a maioria dos aplicativos de revistas tem sido "mais do mesmo, mas digital". Charles Lim, Diretor Criativo da Sparksheet, argumenta que é o momento dos designers se libertarem dos grilhões da impressão e começarem a pensar de forma digital antes de tudo.

Tudo é Remix

Na Internet, nada se cria, tudo se copia. Aliás, não só na Internet. O vídeo mostra que essa cultura de se apropriar e reinterpretar começou na literatura e logo foi aplicada de forma bem sucedida no mundo da música. Grupos passam rapidamente de copiadores a copiados. E muitos deles nunca processaram ninguém por violarem seus direitos autorais.

Cleomar Rocha – Deslumbramentos e encantamentos: estratégias tecnológicas das interfaces computacionais

Num ensaio iluminador, Cleomar Rocha discute os conceitos de deslumbramento e encantamento, confrontando-os com as estratégias adotadas pelas interfaces computacionais para geração destes efeitos nos usuários

Lawrence Lessig: Liberando a cultura para que seja cultura

Lawrence Lessig fala no Kosmopolis sobre os direitos autorais na internet e também explica o caso Finnegans Wake, que ganhou uma batalha contra os herdeiros de James Joyce.

Para ver o vídeo, clique aqui.

O Kosmopolis é um grande evento bienal que ocorre em Barcelona e tem como assunto a literatura ampliada. Foram cinco dias explorando novos temas, gêneros e formatos que reflitam o espírito inovador do festival através de seus três eixos principais: a palavra oral, a palavra impressa e a palavra eletrônica.

Arte com Realidade Aumentada

A Realidade Aumentada é freqüentemente vista por sua utilidade. Esta tecnologia tem muitos usos industriais, como melhorar as inspeções de segurança de mecanismos, os procedimentos de treinamento interativo, os manuais de instruções móveis e a segurança em linhas de montagem. Mas, nos últimos meses, temos visto desenvolvedores usarem esta tecnologia cada vez mais para a expressão pessoal, emocional e, principalmente, artística.

Manuel Castells: “Teorias sobre Rede e Poder” e “A Revolução do Wikileaks”

Manuel Castells em duas palestras: uma sobre as várias formas de poder, principalmente sobre o poder de gerar poder em sistemas de redes, e a outra sobre a revolução representada pelo wikileaks. Segundo o teórico, as duas principais formas de se gerar poder são através da capacidade de programar e da capacidade de criar correlações entre diferentes setores de poder. Ambas são feitas segundo interesses específicos e sempre são criadas e projetadas por indivíduos e não por instituições abstratas, como se interpreta freqüentemente.

Brett Stalbaum e Cicero Inacio da Silva – Mídias locativas e a esfera pública

Artigo dos pesquisadores Brett Stalbaum e Cicero Inacio da Silva analisa os aspectos ligados à interação entre espaços geográficos e experiências materiais localizáveis em e a partir das mediações humanas nas mídias locativas

Interfaces Gestuais: Um tiro que saiu pela culatra

Donald A. Norman apontou recentemente, em sua coluna na revista Interactions, uma possível nova crise da usabilidade. A corrida para desenvolver interfaces gestuais - mais naturais segundo alguns - tem jogado para escanteio padrões de design testados e aprovados. É indiscutível que novas tecnologias requerem novos métodos, mas a recusa em seguir princípios bem estabelecidos pode nos levar a um desastre da usabilidade. As novas aplicações de controles gestuais em smartphones e em tablets criam ainda mais oportunidades para que programadores bem intencionados estraguem tudo de vez.

Programe ou seja programado

Pergunte a qualquer criança para que serve o facebook e ela vai dizer que é para ajudá-lo a fazer amigos. O que mais ele poderia pensar? É assim que ela de fato faz amigos. Ela não tem idéia de que o real propósito do software, e das pessoas que o codificaram, é monetizar seus relacionamentos. Ela sequer está ciente dessas pessoas, do programa, ou do seu propósito. As crianças que Douglas Rushkoff celebrou em seus livros anteriores como “nativos digitais” capazes de enxergar através de todos os esforços da grande mídia e do marketing acabaram se provando menos capazes...

Inteligência coletiva: comunicação, capitalismo cognitivo e micropolítica

  Os processos de colaboração estão presentes por toda aparte em nossa sociedade. Na esfera da comunicação as redes digitais popularizaram as ações colaborativas, sendo o fenômeno das comunidades virtuais seu fato mais marcante. Já no âmbito do trabalho imaterial, vamos encontrar um forte apelo às redes de colaboração, que tornou-se um refrão ecoando por todo o mundo organizacional. Há mais de uma década, o conceito de inteligência coletiva passou a ser sinônimo dessa noção de colaboração, tanto na comunicação quanto no campo do trabalho. Mas será que o conceito se esgota aí? Confira uma reflexão sobre essas dimensões do...