André Lemos - Materialidade dos Dispositivos de Leitura Eletrônicos

André Lemos - Materialidade dos Dispositivos de Leitura Eletrônicos André Lemos - Materialidade dos Dispositivos de Leitura Eletrônicos

Rodrigo Savazoni - Sobre o Momento Digital

Rodrigo Savazoni - Sobre o Momento Digital Rodrigo Savazoni - Sobre o Momento Digital

Arthur Protasio - Games: Uma Mídia de Expressão

Arthur Protasio - Games: Uma Mídia de Expressão Arthur Protasio - Games: Uma Mídia de Expressão

Beatriz Lagoa - Arte-tecnologia: divergências e convivências

Beatriz Lagoa - Arte-tecnologia: divergências e convivências Beatriz Lagoa - Arte-tecnologia: divergências e convivências

Jonas Federman - Notas sobre um curso de Arte Digital

Jonas Federman - Notas sobre um curso de Arte Digital Jonas Federman - Notas sobre um curso de Arte Digital

Luiz Agner - Informação jornalística e design da interação gestual

Luiz Agner - Informação jornalística e design da interação gestual Luiz Agner - Informação jornalística e design da interação gestual

César Viana - Como preparar jornalistas e a mídia para lidar com os novos espaços de informação e cidadania

César Viana - Como preparar jornalistas e a mídia para lidar com os novos espaços de informação e cidadania César Viana - Como preparar jornalistas e a mídia para lidar com os novos espaços de informação e cidadania

Por uma ideia de literatura expandida

Por uma ideia de literatura expandida Por uma ideia de literatura expandida

O seu projeto é inovador?

O seu projeto é inovador?

Como avaliar a inovação de seu projeto? A Fundação Telefonica criou um decálogo para você avaliar se seu projeto é realmente inovador. São diversos os critérios para avaliação, como geração de oportunidades para o futuro, possibilidade de colaboração, compromisso emocional e potencial de crescimento e sustentabilidade. Será que o seu projeto está bem em todos eles? Confira

Seria a realidade virtual o futuro do jornalismo?

Seria a realidade virtual o futuro do jornalismo?

Formalmente treinada em imprensa e documentário, a jornalista Nonny de la Peña tem experiência em contar histórias humanas através de diversas ferramentas de comunicação e mídias. A premiada cineasta e jornalista tem 20 anos reportando experiências, mas na última década ela descobriu um método poderoso de narrativa em um lugar inesperado: renegando o impresso, a televisão e até mesmo a Internet, de la Peña acredita que a realidade virtual é a ferramenta mais poderosa para contar histórias à disposição da mídia moderna. Leia mais (em inglês)

Referências, por favor

Referências, por favor

Na era da Internet, nós realmente precisamos de notas de rodapé para as citações que fizemos no texto? Para um livro ser levado a sério, ele precisa nos levar direto a uma página amarelada de alguma edição despedaçada nas profundezas de uma biblioteca austera, se o material poderia ser igualmente encontrado através de uma busca no Google? Leia mais (em inglês)

Blind Spot: novo aplicativo de mídia interativa


Veja o vídeo de demonstração do aplicativo BLIND SPOT, que será lançado nesse ano em sua primeira versão. É um aplicativo para iPad construído para um estilo de vida móvel num mundo em que tudo é compartilhado e conectado. É seguro dizer que ele irá transformar a ideia de mídia interativa, ainda que todos estejam afirmando isso atualmente.

O jornal de papel estará extinto em 2040?

O jornal de papel estará extinto em 2040?

De acordo com um estudo australiano, sim, com os Estados Unidos eliminando progressivamente o meio tão cedo quanto 2017. Já ouvimos uma aparentemente infinita condenação do estado do jornalismo e indústria de notícias. Centenas de jornais fecharam e os leitores estão desaparecendo, junto com os empregos. Esses medos não são infundados, mas são resultados positivos do levante da indústria de notícias? O documentários de 90 minutos “A Imprensa: em direção a um mundo sem papel?” (título original: ‘Presse: vers un monde sans papier ?’) apresenta a revolução digital sob um aspecto de “mudar é bom”. Leia mais (em inglês)

Clay Shirky no Harvard IT Summit 2014


Lidando com a crueldade digital

Lidando com a crueldade digital

Qualquer um que já entrou na rede testemunhou ou foi virtualmente surrado por um comentário maldoso. “Se você vai ser um blogueiro, se você vai twittar, é melhor você desenvolver uma pele dura” disse John Suler, professor de psicologia na Rider University, especializado no que ele se refere como ciberpsicologia. Cerca de 69% dos adultos usuários de mídias sociais disseram que “já viram pessoas serem malvadas e cruéis com outras nas redes sociais”, de acordo com um relatório de 2011 do projeto “Internet e Vida Americana” do Pew Research Center. Leia mais (em inglês).

Pela preservação do prazer de “deep reading”

Pela preservação do prazer de “deep reading”

“Deep reading”  - em oposição a leitura frequentemente superficial que nós fazemos na internet – é uma prática em risco. Precisamos tomar medidas para preservá-la, assim como um prédio histórico ou uma obra de arte significativa. Seu desaparecimento poria em risco o desenvolvimento intelectual e emocional de gerações crescendo online, assim como a perpetuação de uma parte crucial da nossa cultura: os romances, os poemas e outros tipos de literatura que só podem ser apreciados por leitores cujos cérebros foram treinados para compreendê-los. Leia mais  (em inglês)

Porque a ferramenta de leitura inteligente do futuro pode ser… o papel

Porque a ferramenta de leitura inteligente do futuro pode ser… o papel

Há anos foi anunciada a substituição do livro de papel pelo livro digital por teóricos da comunicação, marketeiros e usuários pioneiros. Porém, apesar dos avanços e inovações cada vez maiores na área dos e-books, muitas pessoas ainda preferem ler impressos. Brandon Keim, em artigo para revista Wired, busca explicações para essa preferência, que ele mesmo compartilha, e porque o papel pode ser o real dispositivo de leitura inteligente do futuro. Para Keim, mais interessante do que a manutenção da leitura em papel em si é a sua interação com as novas formas digitais. Assim como o autor, grande parte...

Literatura e tecnologia: quem influencia quem?

Literatura e tecnologia: quem influencia quem?

As redes sociais e as ferramentas da tecnologia da informação se tornaram uma das mais importantes formas de divulgação das expressões artísticas em geral: literárias, cênicas, plásticas e cinematográficas. Porém, como se dá o caminho inverso? Até que ponto a revolução digital vem modificando e redesenhando o momento de criação das obras e a relação do artista com o próprio trabalho? Quais os frutos dessa nova troca e de que forma ela se relaciona com o público? Este é um ciclo de debates que reúne especialistas e criadores em torno de uma reflexão contemporânea. E nesse debate o tema...