André Lemos - Materialidade dos Dispositivos de Leitura Eletrônicos

André Lemos - Materialidade dos Dispositivos de Leitura Eletrônicos André Lemos - Materialidade dos Dispositivos de Leitura Eletrônicos

Rodrigo Savazoni - Sobre o Momento Digital

Rodrigo Savazoni - Sobre o Momento Digital Rodrigo Savazoni - Sobre o Momento Digital

Arthur Protasio - Games: Uma Mídia de Expressão

Arthur Protasio - Games: Uma Mídia de Expressão Arthur Protasio - Games: Uma Mídia de Expressão

Beatriz Lagoa - Arte-tecnologia: divergências e convivências

Beatriz Lagoa - Arte-tecnologia: divergências e convivências Beatriz Lagoa - Arte-tecnologia: divergências e convivências

Jonas Federman - Notas sobre um curso de Arte Digital

Jonas Federman - Notas sobre um curso de Arte Digital Jonas Federman - Notas sobre um curso de Arte Digital

Luiz Agner - Informação jornalística e design da interação gestual

Luiz Agner - Informação jornalística e design da interação gestual Luiz Agner - Informação jornalística e design da interação gestual

César Viana - Como preparar jornalistas e a mídia para lidar com os novos espaços de informação e cidadania

César Viana - Como preparar jornalistas e a mídia para lidar com os novos espaços de informação e cidadania César Viana - Como preparar jornalistas e a mídia para lidar com os novos espaços de informação e cidadania

Por uma ideia de literatura expandida

Por uma ideia de literatura expandida Por uma ideia de literatura expandida

Sujeito Oculto - Download gratuito

Sujeito Oculto - Download gratuito Sujeito Oculto - Download gratuito

Por que as mulheres estão irritadas?

Em sua página no Medium, a professora Kate Harding indica 58 textos e livros que contextualizam e fundamentam a luta feminina nos últimos anos. Divididos em 13 tópicos, abordam desde temas mais introdutórios, como o conceito histórico de patriarcado, até questões específicas, como as relações da mulher no mundo do trabalho. Leia mais clicando aqui.

Fakenews na mira

As redes sociais foram um dos principais motores da interferência russa nas eleições americanas de 2016. Milhares de perfis falsos foram criados para a disseminação de mensagens viralizantes, apostando no potencial de repercussão fácil e gratuita que a internet oferece. Apenas no Facebook, onde se deu a maior ofensiva russa, foram 2.700 contas, 80.000 postagens e uma audiência de 126 milhões de pessoas. Para suprimir práticas como essa, Google, Facebook e Twitter, entre outras empresas de publicidade e plataformas online, assinaram o “Código de Prática sobre Desinformação” da Comissão Europeia no último mês. O tratado é um compromisso autorregulatório...

A Guerra das Palavras

No livro recém publicado The War of Words, o falecido teórico retórico e crítico cultural Kenneth Burke entende a mídia como agente da guerra política. No livro, Burke pede aos leitores que reconheçam o papel que desempenham na sustentação da polarização. Leia mais sobre a obra clicando aqui.

O lucro do ódio

O debate político atual no Brasil encontra nas grandes redes sociais espaço para se propagar. Entretanto, muitos conteúdos que ferem direitos humanos vem sendo compartilhado nas redes. O Twitter, Facebook e Google possuem mecanismos capazes de neutralizar instantaneamente esses conteúdos, mas muitas vezes preferem garantir a liberdade de expressão. Por quê? Os algorítimos são capazes de identificar quais tipos de mensagens prendem mais nossa atenção. As publicações com mais comentários, reações, compartilhamentos e retweets impulsionam os anúncios publicitários. Dessa forma, conteúdos de ódio, que ferem as minorias e que atentam ao Estado Democrático de Direito, apesar de violar as...

XI Simpósio Nacional da Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura

A Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura (ABCiber) está com inscrições abertas para seu XI Simpósio Nacional, com a temática “Fluxos Emergentes e Conexões Expandidas no Ecossistema Digital”. O evento será realizado na Universidade Federal de Juiz de Fora, em Minas Gerais, e as inscrições podem ser feitas até o dia 1/10/18. Para inscrições e maiores informações, clique aqui.

Robôs: os novos influencers

O número crescente personagens robôs em redes sociais gera debates. Miquela Sousa, criada pela start-up de Brud, e Shudu, criada pelo Cameron-James Wilson, e definida como a “primeira super modelo digital”, são exemplos desse avanço. A especialista em personagens influentes nas redes sociais Rafaela Almeida contou ao El País que “é lícito uma marca adotar uma estratégia de marketing com humanoides, sempre e quando ficar claro que se trata de publicidade”. Segundo Ana Maestre da Okiko, até então as marcas não negam a origem robótica dos personagens, mas caso isso mude, talvez seja necessário descobrir como lidar: “não é...

Pixels e a nova estética literária

O que acontece com a literatura no mundo digital? A professora de cultura digital do Politecnico di Milano e PhD Giovanna Di Rosario explora, em conferência TEDx, a interatividade da literatura digital, que mistura texto, sons e imagens. A interatividade determina novas figuras retóricas, e a professora debate as características da história digital discute a nova estética literária. A palestra pode ser assistida clicando aqui.

Aprenda mandarim nas redes sociais

Chinesa oferece curso gratuito de mandarim pelas redes sociais. Com transmissão ao vivo às quintas-feiras, às 9h, a professora Xiao, formada em letras na China e especializada no ensino de mandarim para estrangeiros, quer ensinar para pessoas que não têm condições de pagar um curso e tornar o idioma conhecido. “A China já é o maior parceiro comercial do Brasil desde 2009, mas mesmo assim a língua chinesa ainda é desconhecida da grande maioria dos brasileiros”, conta a professora em sua página no Facebook, e complementa: “basta ter disciplina e não desistir. Espero que daqui algum tempo todos percebam...

A luta contra o assédio a jornalistas

Cartilha que explica como lidar com ataques a jornalistas na internet foi anunciada no congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji). A ideia foi revelada durante mesa que discutia o tema e teve participação de Jason Reich, head de segurança global do Buzzfeed. O assédio de haters cresce nas redes sociais e os jornalistas são um dos princiapais alvos do ódio. Reich recomenda os sites Acos Alliance e Security Planner, que dão dicas para tornar mais seguro o trabalho de jornalistas. O Farol Jornalismo está recebendo relatos de perseguição, ameaças ou assédio sofrido por profissionais de imprensa e...

Comprova: projeto contra fake news nas eleições reúne 24 veículos

Para combater fake news e seus impactos nas eleições presidenciais de 2018, 24 veículos de imprensa se reuniram em força tarefa. Previsto para agosto, o projeto Comprova vai monitorar e desvendar notícias falsas, criando fact list e distribuindo pelos canais do projeto. O mutirão, capitaneado pelo First Draft, da Universidade Harvard, nos EUA, especializado em estratégias de combate à fake news, conta com parceria das plataformas Google, Facebook, WhatsApp, Twitter, da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), do Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo (Projor), entre outros. “A gente pode dizer que a iniciativa de colaboração entre esses veículos,...

Manual de narrativas imersivas interativas

É crescente entre profissionais de mídia a vontade de criar narrativas imersivas para o público, permitindo interação com recursos visuais, de áudio e dados simultaneamente. Entretanto, mesmo a mudança tecnológica permitindo, muitas vezes não temos a capacidade técnica ou faltam referências para concretizar esse desejo. Para preparar os profissionais em relação a isso, a organização de comunicação social sem fins lucrtivos norte americana National Public Radio disponibiliza manual que ensina o método Hypothesis-Driven Design desenvolvido e aplicado pela empresa para a construção de narrativas imersivas. O manual em inglês pode ser acessado clicando aqui.

Crise liberal e redes sociais

A evidente destruição do sistema político brasileiro, o Breixt no Reino Unido, a eleição de Macron na França e de Donald Trump nos EUA apontam para uma crise da democracia liberal no mundo. É o que diz o sociólogo espanhol Manuel Castells, de 76 anos. Um dos maiores especialistas das transformações sociais provocadas pela internet e da sociedade de redes, em entrevista à revista Época, ele comenta que as redes sociais “aumentam a autonomia dos cidadãos e de movimentos sociais vis-à-vis o sistema político, deslegitimando assim abusos das instituições democráticas. Por outro lado, elas amplificam movimentos de desestabilização por...

Aplicativo conta silenciamento feminino: Não me cale!

O silenciamento da fala feminina é uma das mais evidentes práticas machistas na sociedade contemporânea. Para combater isso, a agência de publicidade BETC/ Havas desenvolvou o aplicativo Woman Interrupted, que analisa em tempo real o número de interrupções à fala feminina e transforma em estatística. Expressando em números o machismo. Mesmo criado para o universo coorporativo, o app pode ser usado em qualquer situação cotidiana. A plataforma está disponível em inglês, francês e espanhol, e já foi baixado por mulheres de 116 países. “Pode parecer um problema pequeno, mas ele reflete questões profundas da falta de equidade e mostra...

A busca de americanos por informações, dos jornalistas por notícias e dos veículos por receitas.

Relatório anual do Pew Research Center mostra como americanos buscam informações, como as empresas de notícia obtêm suas receitas e os recursos disponíveis para jornalistas em seu trabalho cotidiano. A pesquisa traça panorama da mídia americana e sua capacidade de atrair olhos e dinheiro. Os indicadores apontam que a evolução da mídia é paralela ao crescimento da indústria. Subdivididos em jornais impresso, notícia digital, radiodifusão pública, mídia hispânica e africana, TV local, áudio e podcasting, internet e TV a cabo, o relatório pode ser acessado clicando aqui.

FakesApp

Assassinatos e agressões na Índia, pessoas negando vacina contra febre amarela no Brasil, influências em processo eleitoral do Quênia, desinformações no Reino Unido: não faltam notícias falsas circulando pelo WhatsApp. O aplicativo, diferente de outras redes sociais, não tem algoritmo que filtre as informações os usuários receberão, o que favorece a proliferação das fake news. Pesquisa do Instituto Reuters, da Universidade de Oxford, afirma que pessoas em todo mundo leem menos notícias no Facebook e cada vez mais se informam pelo WhatsApp, que tem cerca de 1,5 bilhões de usuários no mundo. O The Guardian publicou em seu site...

Deepfakes e pornografia

Grupos de falsificadores criam víde